5 restaurantes para jantar em Paris

Para você fugir dos pratos comuns, como ratatouille e escargot, e não pagar caro, veja essas dicas do portal Time Out – Guia de Paris:

  • Todos os restaurantes oferecem pratos executivos no almoço, então, faça como muitos parisienses, recorra aos pratos confit de pato com batata sauté ou steak tartare.
  • Se tiver salsinhas no cardápio, fuja. “O traiteurs asiáticos, que surgiram recentemente, requentam pratos prontos no microondas tranquilamente”.
  • Recomenda-se almoçar um sanduíche com uma baguette fresquinha às margens do Sena, apreciando uma bela paisagem. E se possível, bem acompanhado.
  • Ignore os fast-food orientais, “as opções não-francesas aumentam diariamente”.
  • É melhor investir o seu dinheiro (aproximadamente €80 ou mais por casal, com jantar e bebidas) em um jantar inesquecível.

Para um jantar memorável, confira a lista abaixo com os melhores restaurantes:

L’Ardoise

"Um dos melhores bistrôs modernos da cidade".

“Um dos melhores bistrôs modernos da cidade”.

 

Le Bistrot d’à Côté Flaubert

"O badalado chef Michel Rostang assumiu esta velha épicerie, manteve o belo e típico interior e começou a servir o que considera ser a genuína comida de bistrô".

“O badalado chef Michel Rostang assumiu esta velha épicerie, manteve o belo e típico interior e começou a servir o que considera ser a genuína comida de bistrô”.

 

Restaurant L’Entredgeu

"Comida boa e aos bons preços".

“Comida boa e aos bons preços”.

 

A la Bière

" Os garçons sabem atender e não apressam os clientes; sempre há algo divertido acontecendo no bar. Esta é uma das poucas pechinchas que ainda restam em Paris".

” Os garçons sabem atender e não apressam os clientes; sempre há algo divertido acontecendo no bar. Esta é uma das poucas pechinchas que ainda restam em Paris”.

 

L’Arpège

"Imaginando que dinheiro não seja o problema e que se deixe de lado a formalidade de uma refeição de alta culinária, é provável que as horas passadas à mesa do chef Alain Passard na Rive Gauche sejam inesquecíveis".

“Imaginando que dinheiro não seja o problema e que se deixe de lado a formalidade de uma refeição de alta culinária, é provável que as horas passadas à mesa do chef Alain Passard na Rive Gauche sejam inesquecíveis”.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *