Camarões quer banir o Inglês no país

Por conta do passado colonial de Camarões, milhões de habitantes camaroneses preferem se comunicar em inglês, porém o governo do país impôs – a partir de ações autoritárias como cortes na internet, fechamento de escolas, detenções e repressão em manifestações – que todos os cidadãos devem se comunicar em francês.

drill

It’s my right X C’est mon droit

Dos 22 milhões de habitantes que vivem em Camarões, quatro milhões preferem dizer “it’s my right” em vez de “c’est mon droit” – significa “é meu direito” em inglês e francês, respectivamente. No entanto, a minoria está proibida de falar em inglês e essa ação do governo motivou a organização de um movimento popular que reclama o direito de se expressar no idioma que consideram seu.

Governo de Camarões: ações violentas

Nos meses anteriores, a tensão entre os cidadãos anglófonos e o governo de Camarões aumentou de maneira exponencial e cinco mortes foram registradas em diferentes manifestações.

As forças policiais do país combatem os protestos com violência e repressão, havendo o registro de centenas de pessoas em detenção. Os ativistas do movimento anglófono Maitre Agboh e Fontem Neba foram acusados – pelas autoridades – de terrorismo e traição ao governo, condenados à pena de morte.

Bloqueio de instituições

No final do mês de novembro, o governo deu ordens para fechar instituições públicas, como tribunais e centros educacionais nas regiões de Bamenda (nordeste do país) e Buea (sudoeste), ambas com cidadãos que falam inglês.

Poucos colégios continuam abertos e funcionam sob proteção da polícia. Os alunos se reúnem em pequenos grupos de estudo e repassam as lições durante o período noturno.

A pressão aumentou nessas regiões quando os cidadãos receberam em janeiro a seguinte mensagem telefônica do Ministério de Telecomunicações: “Estimado assinante, saiba que quem divulgar informações falsas em redes sociais será condenado a dois anos de prisão”. Desde o ocorrido, o governo realizou o corte da internet.

Com essas regiões sem acesso à internet, camaroneses que moram em outros países, como Estados Unidos, continuam a luta por meio da rede.

Camarões foi colônia francesa e inglesa até o ano de 1960. Quando se tornou independente das duas potências, foi instaurado um Estado Federal até ser realizado um referendo, em 1972, quando retornou a ser um Estado Unificado em que as duas línguas se tornaram co-oficiais.

Com isso, a minoria anglófona se queixa da marginalização em relação à maioria francófona e a discriminação afeta a desigualdade de distribuição de renda e a distinção em considerar o inglês um idioma secundário. Nos espaços públicos, as autoridades falam o idioma francês, e o presidente nunca pronunciou um discurso na língua inglesa.

Com essa repressão, os sindicatos pedem a independência das regiões anglófonas ou a volta do federalismo. Porém, o ministro de Comunicações do país deu a seguinte resposta: “Não haverá federalismo ou secessão. Camarões é único e indivisível”.

O desenrolar desta história, somente o tempo dirá. E você, o que achou da posição do governo de Camarões? É contra ou é favorável? Dê sua opinião a respeito!

O que você achou desse post?
  • Poderia ter mais informações (0)
  • Útil (0)
  • Interessante (0)
  • Ótimo (0)

Deixe uma resposta