Influência da cultura francesa

O professor e crítico literário Antonio Candido em cujo texto O francês instrumento de desenvolvimento, publicado em 1977, mostra como foi aqui no Brasil o percurso do francês como língua universal em fins do século XVIII e ao longo do século XIX.

O autor diz que “graças ao francês que pudemos ver o mundo, que adquirimos o senso da História, que lemos os clássicos de todos os países, inclusive gregos e romanos”.

E acrescenta que o contato com a língua e a cultura francesa nos permitiu adquirir maior humanidade nas questões sociais, uma vez que não apenas a elite dominadora delas se alimentava, mas também as classes dominadas buscavam sua inspiração nos ideais revolucionários franceses. A influência francesa era tão grande que o hino nacional francês, no início do século XX, era executado em manifestações políticas, em comícios, em reuniões operárias.

Em decorrência, torna-se obrigatório o ensino da língua francesa na escola secundária, e as bibliotecas particulares e públicas eram repletas de obras em francês.

A influência da cultura francesa se deu não somente na literatura, nos costumes, nos perfumes, nas maneiras de vestir, falar, decorar a casa, mas especialmente, na culinária.

A França é tradicionalmente o país da gastronomia que se esmera no bom gosto e na destreza no preparo das refeições.

A influência da culinária francesa ocorre no Brasil quando a família real chegou ao Brasil, em 1808, fugindo, por incrível que pareça, das tropas francesas.

Com a abertura dos portos e a lei de incentivo à imigração, muitos estrangeiros padeiros e cozinheiros franceses vieram para o Brasil e passaram a difundir a culinária, de maneira que o bachamel, a mostarda, os mousses e omeletes entraram para o cardápio, da mesma forma as expressões francesas como chef, maître e garçon.

Foram os franceses aqui residentes que criaram as confeitarias que vendia rissoles e creme de chantilly e as padarias que vendia baguetes, croissants e brioches.

Aos poucos os suflês, os patês e os crepes adentraram facilmente na mesa brasileira, e nas recepções suntuosas das ricas residências brasileiras, os garçons que serviam canapés vestiam-se como se estivessem em Paris. Da mesma forma, o vinho passou também a ser servido, sendo sempre observados a coloração, o bouquet e a densidade.

Já a disseminação de restaurantes franceses, no final do século XIX e início do XX, contribuiu para divulgar a cultura gastronômica francesa em terras brasileiras.

Em 1935 o restaurante Freddy é inaugurado em São Paulo, em 1954, é fundado pelo casal Roger e Fortunée Henry o primeiro bistrô genuinamente francês, La Casserole em cujo cardápio continha pratos clássicos da gastronomia francesa, como gigot d’agneau, rognons au Beaujolais, entre outros.

No livro Cartas A Um Jovem Chef, de Laurent Suaudeau, por meio de perguntas e respostas, Laurent divide seu conhecimento, discute e explica a profissão de chef, dando informações aos interessados na gastronomia.

É sem dúvida, que a gastronomia francesa é caracterizada pelo sabor sofisticado e técnica requintada e provençal.

É a culinária mais elegante, clássica, sofisticada e refinada do mundo.

La santé!

Textos de apoio:

https://pt.scribd.com/document/237310710/Evolucao-Da-Culinaria-Francesa-e-Sua-Influencia-Na-Formacao-Gastronomica-Brasileira

https://pt.slideshare.net/jaquegleal/contribuicao-da-gastronomia-francesa-na-brasileira

Deixe uma resposta