Sistema Comum Europeu de Referência Linguística: como funciona?

Você sabia que há uma espécie de sistema/ferramenta capaz de identificar o nível de fluência de determinado idioma? Chamado de CEFR (Common European Framework of Reference for Languages) ou em português Sistema Comum Europeu de Referência Linguística, tal ferramenta é oriunda de décadas de estudo, sendo utilizada em larga escala em diversos países do mundo.

Common European Framework of Reference for Languages

Entenda melhor como ele funciona e saiba como identificar o nível de fluência em inglês ou qualquer outro idioma desejado.

O que é o Sistema Comum Europeu de Referência Linguística?

Sistema Comum Europeu de Referência Linguística anda mais é do que um tratado concebido pelo Conselho da Europa, cujo objetivo é padronizar a aprendizagem e domínio de línguas.

Neste sistema, cada nível de domínio é expresso por determinada “sigla”, como por exemplo a1, a2, b1, b2, c1 e c2.

Desta forma, as habilidades que um falante de determinado idioma possui sobre um idioma equivale ao grau de descrição expresso pelas definições encontradas nos níveis a1, a2, b1, b2, c1 e c2.

Como saber meu nível de fluência em inglês ou em qualquer idioma?

Quando falamos uma língua que não nos é nativa e começamos a estudar um novo idioma, com o passar do tempo sentimos a curiosidade de avaliar qual nosso nível de fluência, não é mesmo?

Básico? Intermediário? Avançado? Em qual grau nos encontramos? Como saber? A resposta é bem simples: por meio do Sistema Comum Europeu de Referência Linguística e as indicações dos níveis a1, a2, b1, b2, c1 e c2.

Definição: a1, a2, b1, b2, c1 e c2

Quando se fala em a, b e c, dividimos as definições da seguinte forma:

  • A

Pessoa falante elementar;

  • A1

Nível iniciante, compreende expressões do dia a dia e consegue realizar perguntas e respostas que estejam inseridas em seu universo pessoal, sem muita complexidade;

  • A2

Nível básico, já é capaz de falar e entender expressões um tanto quanto mais complexas, por exemplo;

  • B

Pessoa falante independente

  • B1

Nível intermediário, com habilidade em lidar com a linguagem local, do ambiente onde está inserida, conseguindo argumentar e descrever diferentes situações;

  • B2

Usuário independente, domina o viés subjetivo e complexo da língua, maior léxico e habilidade no idioma;

  • C

Pessoa falante proficiente

  • C1

Proficiência operativa eficaz, se comunica com facilidade e compreende textos com teor implícito de significados;

  • C2

Domínio pleno, fluência e capacidade de compreensão elevadas, mesmo em questões tênues.

E você, em qual nível se encontra de acordo com o Sistema Comum Europeu de Referência Linguística? Quer aprender novas línguas e alavancar seu sucesso profissional? Então venha conhecer os cursos da Ateneo!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *